Blog

Print
Press Enter to show all options, press Tab go to next option

Lições que aprendemos com a resposta contínua ao furacão Matthew no Haiti

Dieusibon Pierre-Mérité*

By Inter-American Foundation on Comment

Quatro meses depois que o furacão Matthew arrasou o Haiti como tempestade de categoria quatro, a atenção mundial pode ter passado para outros assuntos, mas os haitianos continuaram a se recuperar e a reconstruir suas comunidades. Enquanto isso, organizações de ajuda humanitária estão agora realizando avaliações da resposta internacional ao desastre. Em um esforço para melhorar continuamente os esforços de alívio para eventos mortais como este, é muito apropriado fazer perguntas como se as respostas dos doadores e os recursos financeiros foram adequados. Qual foi a efetividade dos planos de preparação para o desastre? A ajuda internacional foi coordenada adequadamente entre as lideranças e a ajuda financeira foi suficiente para as populações afetadas? 

O recém-publicado relatório de Avaliação em Tempo Real da resposta internacional ao furacão Matthew, produzido pela Secretaria das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários, sugeriu que “houve uma melhoria significativa na resposta internacional às consequências humanitárias do furacão Matthew comparada a desastres anterior no Haiti, embora a melhoria tenha sido desigual”.

A Fundação Interamericana (IAF) não é uma agência de ajuda em casos de desastres. Porém, nas sequelas da tempestade de outubro de 2016. A IAF deu apoio a suas redes existentes de parceiros comunitários para customizar suas próprias intervenções sociais e econômicas de emergência a fim de atender as necessidades de pelo menos 10.000 sobreviventes da tempestade. 

A IAF continua apoiando seus parceiros haitianos. Em um esforço para contribuir com o diálogo para a melhoria dos futuros esforços de ajuda, a IAF inclui algumas lições aprendidas nas consequências do furacão Matthew - na perspectiva de seus parceiros comunitários que são os mais afetados quando acontecem desastres.

Matthew-IMG_4805

 Quando ocorre um desastre, parceiros são aqueles que sabem como reconstruíram suas vidas.

Após a passagem do furacão Matthew pelo sul do Haiti em outubro de 2016, a Fundação Interamericana (IAF) enviou assistência imediata a cinco organizações comunitárias no departamento Sul para ajudar a resolver os problemas causados pela tempestade massiva. Esta experiência permitiu que a IAF entendesse melhor o impacto, e as lições que esta experiência nos trouxe podem ser úteis para futuras intervenções em escala nacional ou global. Algumas das observações, lições aprendidas e recomendações do campo:

  • As equipes de Assistência Local e Apoio Administrativo (LLAS) da IAF devem fazer contato rapidamente com os líderes das organizações beneficiárias imediatamente após o desastre. Durante as reuniões de acompanhamento, todos os membros das organizações afetadas expressaram sua gratidão e reconhecimento à IAF porque ela foi a primeira organização que perguntou sobre a situação após a tempestade, de acordo com o membro da IAF e parceiro financiado Développement Durable et Solidaire D'Haïti (ODDSHA.  
  • O ponto focal da IAF no campo devem organizar visitas de resposta rápida para auxiliar na situação individual de cada grupo afetado para determinar o nível de suporte necessário. Eles devem consultar outros membros da comunidade afetada pelo desastre, e não apenas grupos associados aos projetos financiados pela IAF. Durante as reuniões de avaliação, os residentes apreciaram a IAF ser a primeira organização a visitar as comunidades para avaliar danos e necessidades. Até uma semana após o furacão, nenhuma outra autoridade se importou em visitar suas comunidades.

Deusibon-IMG_4677

Dieusibon Pierre-Mérité preste atenção aos membros da comunidade afectados pelo furacão Matthew.

  • Nas reuniões pós-desastre, é importante deixar que os membros de todas as organizações se expressem. Sejam pacientes durante as discussões. Escutem atentamente as frustrações das pessoas. O assistente local da IAF observou que, durante a primeira visita após o furacão, os residentes queriam permanecer por mais tempo nas reuniões.
  • Os respondentes devem visitar hortas, casas e outros edifícios destruídos o quanto for possível. Falem com figuras proeminentes, mas não apenas com elas. Além dos líderes das organizações, fale também com membros ordinários.
  • Falem com os grupos de mulheres separadamente. Em alguns casos, as mulheres não falam francamente sobre seus problemas na presença de homens. As mães ficarão mais dispostas e capazes de falar claramente sobre os problemas de seus filhos.   
  • Levem em conta as propostas das pessoas sobre como elas desejam continuar suas atividades comunitárias para além do curto prazo. Por exemplo, quais são as necessidades de médio e longo prazo?
  • Evitem propor soluções aos residentes e sobreviventes após um desastre. Durante as visitas de acompanhamento, a maioria das organizações agradeceu a IAF pela estratégia usada para ajudar as pessoas a lidarem com os problemas causados pelo Matthew e a se recuperarem. “A IAF tem muito respeito por seus parceiros financiados. Ela respeita seus desejos”, disse um membro da ODDSHA após a resposta.
  • Facilitem o apoio psicológico aos sobreviventes. A disponibilidade de aconselhamento que a IAF ofereceu às organizações que sofreram perdas comprovou ser muito importante para as comunidades em recuperação. Ela permitiu que as populações afetadas construíssem confiança e fortalecessem sua autoestima. Na situação imediata após a tempestade, alguns sobreviventes pensaram que suas vidas tinham acabado porque seus recursos haviam sido destruídos. O aconselhamento os ajudou a reconquistar a confiança e a motivação para revigorar o rendimento familiar.

Mattew-IMG_9869

Comunidades que estão preparados para responder às catástrofes naturais são menos vulneráveis. 

  • Fortaleçam a solidariedade entre as organizações comunitárias fazendo uma sessão de brainstorming com líderes de vários grupos. Em uma reunião de acompanhamento com a Mouvman Peyizan 3yème Seksyon Kanperen (MP3K), os líderes do grupo explicaram a importância da solidariedade e dos contatos.
  • Identifiquem e elogiem o trabalho comunal realizado pelas organizações comunitárias antes da intervenção. Observamos que antes da chegada de ajuda humanitária, os membros do grupo já tinham se organizado para ajudar os sobreviventes e limpar estradas para facilitar a comunicação em áreas mais remotas.  
  • Tirem fotografias para documentar os danos e as necessidades durante a primeira visita de avaliação em campo, e tirem outras durante as visitas de acompanhamento.
  • As estruturas resistentes a tempestades construídas com verbas da IAF em duas comunidades em Camp-Perrin exerceram um papel importante na proteção dos membros das comunidades. Após a passagem do furacão, as instalações da MP3K e da Association Planteurs Jonc-Tiby abrigaram mais de 1.500 membros vulneráveis da comunidade. Por causa de seu apoio, as pessoas que não eram membros dessas organizações tiveram uma percepção mais positiva das organizações.
  • Fortaleçam a comunicação entre as organizações durante o estágio de avaliação. A equipe da IAF em Washington, D.C. mantém contato regular com a equipe de campo a fim de se alinhar e adaptar precisamente com base na realidade do local.
  • As intervenções levam tempo. Elas exigem muita comunicação com os grupos para preparar o financiamento.    
  • Encorajem os membros da organização a investir na resiliência contra o clima extremo. As comunidades que estão preparadas são menos vulneráveis.   
__________________________________________________

Dieusibon Pierre-Mérité é um local de ligação e de apoio administrativo (LLAS) no Haiti para a Fundação Interamericana.

Return to full list >>

Free viewers are required for some of the attached documents.
They can be downloaded by clicking on the icons below.

Acrobat Reader Flash Player QuickTime Windows Media Player Microsoft Silverlight Word Viewer Excel Viewer PowerPoint Viewer
comments powered by Disqus